sexta-feira, 25 de março de 2011

Muito barulho por nada

Sergipe tem coisas inusitadas. Enquanto no mundo inteiro as comunidades lutam para desviar de suas cidades as rotas das autoestradas, aqui, numa total inversão de valores, se faz o contrário. É o caso dos municípios da região sul, Cristinápolis e Umbaúba à frente, que ameaçaram até fechar a BR-101 para protestar contra o projeto do governo, que prevê justamente o desvio da nova estrada duplicada do perímetro urbano destas cidades.
Na falta de assunto, tanto das autoridades como de nossa raquítica imprensa, deram voz a essa não-demanda. Os programas de rádio matinais, vespertinos e noturnos, desprezam qualquer compromisso com um jornalismo ético e se confundem com militantes de uma causa ignóbil. E a sociedade engole o pacote comonotícia”, revestido de falsa relevância social, desemprego, crise no comércio e outras bobagens.
No mundo civilizado, o poder público não providencia o distanciamento mínimo necessário, quando, nos casos em que nãosolução técnica, constrói muros metálicos isolantes para proteger os moradores. A não ser que os porta-vozes de Cristinápolis e Umbaúba queiram mesmo isto: aprofundar nosso imenso atraso.

2 comentários:

Gilberto disse...

É realmente inusitado lutar para que uma rodovia de intenso tráfego continue margeando essas duas cidades. Fui promotora de Umbaúba durante 07 anos. Nesse período só me lembro de ter funcionado em inquéritos criminais para apurar acidentes de trânsito, em sua maioria fatais. Praticamente não havia outro tipo de delito em Umbaúba a não ser aquele ligado ao trânsito da citada rodovia, de modo que não consigo compreender nem alcançar se há uma razão sensata para que se mantenha a dita rodovia nas margens da cidade. Com ou sem a rodovia, o povo de Umbaúba, por natureza empreendedor, continuará a fazer da zona sul do nosso Estado um oásis.

Gilberto disse...

Luciano, computador de casal é assim mesmo... Quando eu penso que tô falando do meu, descubro que usei o do Beto. Portanto, o comentário é de minha autoria. Abraços. Eugênia.