terça-feira, 8 de junho de 2010

As primeiras falsas impressões

As impressões apressadas, de primeira hora, geralmente enganam, mas são também as melhores, pelo choque que nos provocam. No meu caso, não são as primeiras. Creio que esta é a quinta ou sexta vez que venho a Madrid, embora quem me conheça saiba que não guardo registro de nada. Sou capaz de viver um ano num lugar e, meses depois, não saber o caminho. Este sou eu.
Aqui me instalei por três dias em hotéis diferentes, cada dia um, sempre buscando uma melhora. Amanhã me instalo na que será "minha casa" em Madrid, num bairro bacana, ao lado de um parque amplo e do estádio do Atlético de Madrid. Pronto, já sou torcedor deste time, apesar das cores do péssimo Sergipe. Até porque lá jogou, lá pelo século XVII, o grande Julio Iglesias, pegando no gol.
Aqui o verão se ensaia ameaçador. Fui recebido com um bafo quente, parecia o Piauí. Felizmente hoje a tarde choveu um pouco e, como no Rio Grande, quando pinga esfria. Nunca tive problemas com fusos horários, cachaceiro que sempre fui, flanando na noite, mas agora o tal pegou pesado. Desde que cheguei, só faço dormir, quer dizer, tento. Minha infame insônia é capaz de proezas: mesmo com o sono atrasado em, pelo menos, uns 25 anos, só fui pregar os olhos esta noite às oito da manhã. Isso mesmo. Passei a "noite" contando carneiros, lendo a "Piauí". Seguindo o conselho do meu amigo Tonho Grampão, arrisquei até uma punheta. Diz ele que é bom para o sono. Só se for para ele.
Acordei zonzo às doze e meia, mas uma moça mal humorada, com ar de buldogue, me passou um carão. "Vai ficar? Porque já são uma e meia e a diária vence ao meio dia". Eu: "Hein?" Ou eles adiantaram o relógio, ou eu fiquei doido (ou as duas, claro). Saí na rua e... quem tava certo? Yo, yozinho aqui. Porra, os fusos me deixam confusos (ahahah), mas meu relógio é um Swatch legítimo, comprado nas boas casas do ramo na cidade do Porto, há mais de uma década. Não queria falar mal dos espanhóis logo no primeiro texto, mas não resisto: os putos alteram um relógio por causa de trinta dinheiros. Para ser exato, 32 euros. É o que dá se hospedar em freje perto da Porta do Sol.
De tardinha fui ver um quarto num apê onde vive a amiga de uma amiga. Aqui, quem vem para estudar, aluga quartos assim. Além do campo do Atlético, tenho vista para o Palácio Real. Só de sacanagem, vou abrir a janela todo dia e dizer: "Bom dia, Rei". Se o puto me ouvir um dia, vai mandar de lá: "Porque não te calla, cabrón"? Fui com o dono, no seu carro, espanhol típico, classe média baixa, desconfiado. Disse que espera somente que seus inquilinos sejam pessoas "normais". Epa! E eu sou isso? Ahahahah. Depois de mim, duas chicas foram também olhar o outro quarto, que igualmente estava desocupado. Já pensou? Vou morar com três chicas num apê. Pensão para moças.E eu ali no meio. Ahahah. Aquele cheiro de mulé o tempo todo. Nada mal.

7 comentários:

Carol Correia disse...

Tio, quero mais primeiras impressões!
Tô te acompanhando, viu?
Ah, e eles realmente pegam a salada com o mesmo garfo? JEJEJE!

Beijo,
Carolzinha

Anônimo disse...

fala amigo da onça..viajou e nem falou nada..E ai conseguiu passar pela alfandega???mande as noticias dai..virei teu seguidor no twitter...abraços e cuidado para não virar folha torcendo para a Espanha no Mundial...

roosevelt

Anônimo disse...

Só no final eu entendi a tentativa da punheta, a atraso é grande, em Itabaiana de minha memória não se come ninguém.

Samarone.

jocarna2009@hotmail.com disse...

Correia:
Há algumas pontos a observar:
1 - Você continua o mesmo mal humorado de sempre. Sinal que o fuso horário o afetou, mas nem tanto. Isso tranquiliza os seus amigos, fãs e admiradores;
2 - A história da punheta revela a sua enorme carência e o atraso. Ou seja: todas as estórias que você contou aos amigos ultimamente (vantagens incluídas nesse campo) não passavam de basófia;
3 - Se você der bom dia ao Rei diariamente, o risco é ser deportado de volta;
4 - Eu pensava que depois dos episódios da nossa viagem a Santiago do Chile você não se hospedava mais em freje mosca barato. Mas, vi que você continua o mesmo. Garantia de que a sua saúde mental está em dia;
5 - Se o dono do apê espera que você seja uma pessoa nomal, é possivel que o seu despejo aconteça nos próximos dias...

Abração,

Estamos saudosos...

Jorge

Anônimo disse...

Grande Lucky,

Feliz com o estado de espírito do velho camarada. Boa estada nesse apartamento que, com a sua presença e de mais duas lindas chicas, já está parecendo set de filme Almodóvar.

Boa sorte!

Déda

sonia disse...

Luc, querido!
Não deixe de contar todas as suas aventuras por aí! Adoro as suas observações, suas histórias! Desejo boa estada nesse país, nessa cidade, nesse apê. Que as moças saibam valorizar a bela companhia que elas ganharam.
Grande beio,
sonia pedrosa

Lourdes disse...

Agora sim, pude ver os causos a que me referia no mail!!!! Um jornalista que se preza tem histórias para contar. Abçs e boa estadia por aí. De quando em quando te visitarei por aqui.